Evolução do Ratchet & Clank

A evolução do Ratchet & Clank

Vamos fazer uma viagem de volta a 2002. O que estava na moda eram as tardes de videojogos em casa de amigos, a jogar Playstation 2 depois da escola. Eis que, no meio de jogos de desporto ou de aventura, ficámos a conhecer aquela que é uma das sagas mais familiares do mundo Playstation: Ratchet & Clank. Ao longo destes 18 anos este universo foi sofrendo algumas mudanças, ganhando cada vez mais fãs. Sabes o que mudou?

WORTEN GAME RING: NEXT GENERATION

Apoia a tua Crew e segue as dicas do Comandante Impakt
Vê aqui

Vamos começar pelo original


Se “Ratchet & Clank” te traz as melhores recordações, tens de agradecer à Insomniac Games (que também nos deu séries de jogos como Spyro e Resistance) e à Sony Interactive Entertainment, as duas responsáveis pela criação e pela publicação do jogo. Em novembro de 2002, chegou primeiro aos Estados Unidos da América e à Europa, e só depois à terra dos videojogos. Na verdade, este foi o primeiro jogo ocidental a ser introduzido no Japão pela PS2.

Num ambiente de ficção científica, é-nos apresentado Ratchet, um mecânico Lombax, uma espécie de animal felino exclusivo do jogo, e Clank, aquele que será o seu fiel companheiro robot. Juntos, vão embarcar em várias aventuras em diferentes planetas com o objetivo de destruir as forças do mal. Para serem bem-sucedidos nas suas missões, vão utilizar vários tipos de armas e engenhos, fazendo deste um jogo de tiro na terceira pessoa.

O primeiro título de “Ratchet & Clank” fez sucesso e seguiram-se outros dois nos anos seguintes, com “Ratchet & Clank: Going Commando” em 2003,“Ratchet & Clank: Up Your Arsenal” em 2004. As principais alterações aconteceram na complexidade do jogo, nos gráficos e nas possibilidades de escolha ao longo no jogo, quer no número de armas, quer nos vários segredos que o enredo esconde. Em 2005, o jogo seguiu um rumo ligeiramente diferente, com “Ratchet: Deadlocked”, que deixava de fora o companheiro Clank, e colocava nas mãos do felino mecânico a tarefa de competir contra os seus inimigos na “Deadzone”. Para além desta pequena alteração, introduziu ainda a possibilidade de ser jogado online ou num modo cooperativo. Dois anos depois, “Ratchet & Clank” cresceu para o mundo da portabilidade com o título “Size Matters”, que, para além da PlayStation 2, também ficou disponível para a PSP.

Surgiu então a série Future, com “Ratchet & Clank Future: Tools of Destruction” (2007), “Ratchet & Clank Future: Quest of Booty” (2008), “Ratchet & Clank Future: A Crack in Time” (2009) e “Ratchet & Clank Future: Into The Nexus” (2013). Diferentes histórias, várias melhorias técnicas e gráficas e mais mil e uma aventuras que colaram multidões ao comando e ao ecrã. Houve ainda três spin-offs que conquistaram o seu espaço neste universo. O primeiro foi “Secret Agent Clank”, que se focava no parceiro robótico, com a missão de salvar Ratchet, um jogo lançado em 2007 em exclusivo para a PSP. Seguiram-se ainda “Ratchet & Clank: All 4 One” (2011) e “Ratchet & Clank: Full Frontal Assault” (2012), com jogos mais curtos do que aqueles que tornaram a série tão conhecida.

Para lá da PlayStation

Em 2005, as duas personagens apoderaram-se dos nossos telemóveis com o jogo “Ratchet & Clank: Going Mobile”, um título que não faz oficialmente parte da história cronológica do enredo principal, sendo também o primeiro da série que não foi lançado para a PlayStation 2 e que não foi desenvolvido pela “mãe” Insomniac Games”. Numa segunda tentativa para adaptação mobile, foi lançado o jogo de corrida infinito, o “Ratchet & Clank: Before the Nexus”, que serviu como forma de promover o “Ratchet & Clank: Into the Nexus” e que ficou disponível para Android e iOS em dezembro de 2013.

Como qualquer franquia de sucesso, o universo do felino e do seu companheiro robótico cresceu para lá do controlo dos botões e dos comandos. Para além de “Ratchet & Clank: Bang Bang”, uma manga da revista japonesa CoroCoro Comic, a dupla imbatível também conquistou o grande ecrã, com o filme de animação com o seu nome. Mas porque a melhor versão é sempre a original, em 2016, “Ratchet & Clank” teve direito a um remake, desta vez para a PlayStation 4. Num cruzamento entre o mais antigo e o mais recente, este jogo resultou da re-imaginação do primeiro com a história do filme lançado em 2015, que teve uma receita de 12,6 milhões de dólares.

E tu, já te cruzaste com este clássico da PlayStation?

Lê também:

- Benefícios do Gaming

- Gaming no Feminino

- Nova PS5

Comparar Produtos

    Comparar Produtos

    ×
    Utilização de cookies:Ao continuar a sua navegação está a consentir a utilização de cookies que possibilitam a apresentação de serviços e ofertas adaptadas aos seus interesses.Pode alterar as suas definições de cookies a qualquer altura.Saiba mais aqui.